Emater/RS-Ascar coleta amostras para caracterização do Queijo Colonial na região de Santa Rosa


Uma pesquisa de identificação do queijo tipo colonial, produzido pela agricultura familiar na região administrativa de Santa Rosa, e que envolve os Coredes Fronteira Noroeste e Missões, está sendo conduzida pela Emater/RS-Ascar, numa iniciativa da Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Irrigação (Seapi), através da Câmara Setorial do Leite. O Escritório Regional coletou 34 amostras de queijos de agroindústrias legalizadas e informais de 18 municípios da região, e enviou essas amostras a Porto Alegre nesta segunda-feira (11/09), onde serão feitas análises por técnicos da Fepagro e da Ulbra.  
O assistente técnico regional da Emater/RS-Ascar de agroindústria e sistemas de produção animal, Jorge João Lunardi, que coordenou a coleta na região, explica que o objetivo é caracterizar o tipo de queijo colonial, diferenciando-o por regiões do RS, já que a agroindústria familiar tem uma expressiva variedade de processos de fabricação, com diferentes características físico-químicas e sensoriais, condicionadas pelo ambiente, a partir de aspectos de clima, altitude, alimentação e raça dos rebanhos, entre outras, além da forma peculiar de cada família fazer a sua receita, muitas vezes advinda do conhecimento dos antepassados.
Na região foram coletadas amostras de agroindústrias com legalização sanitária dos municípios de Independência, Caibaté, Boa Vista do Buricá, Santo Ângelo, São Luiz Gonzaga, Cerro Largo, Porto Xavier e Três de Maio. Também foram coletados queijos de agricultores de São Paulo das Missões, Alecrim, Porto Mauá, Ubiretama, Novo Machado, Santo Antônio das Missões, Salvador das Missões, Santa Rosa, Roque Gonzales, Porto Xavier e Dezesseis de Novembro.
 
Apoio à Agroindústria Familiar
A ação está inserida em um contexto maior de assistência a agroindústrias que a Emater/RS-Ascar tem efetivado nos 44 municípios em que está presente na região administrativa de Santa Rosa. A Instituição orienta também em relação à legalização sanitária, ambiental e tributária, para a consolidação de agroindústrias, com o intuito de melhorar a renda no meio rural, aproveitar a mão de obra e a matéria-prima produzida na região, com a possibilidade de diversificar a produção, a industrialização e a comercialização pelos familiares rurais ou suas associações, grupos e cooperativas.
A Emater/RS-Ascar também é executora do Programa Estadual de Agroindústria Familair (Peaf), com recursos da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural, Pesca e Cooperativismo (SDR).  Somente na região, mais de 350 agroindústrias estão cadastradas no Programa, além de 110 incluídas e 90 que possuem a marca do Selo Sabor Gaúcho.
Nas 563 agroindústrias assessoradas pela Emater/ RS-Ascar na região, estão envolvidas 1.121 famílias, totalizando 2.523 pessoas, que juntas somam uma renda aproximada de R$ 20 milhões ao ano. Destacam-se a produção de derivados de farinhas (pão, cuca, bolacha, moinhos), cana-de-açúcar (melado, rapadura, açúcar mascavo, pé-de-moleque), mandioca (aipim, polvilho), hortigranjeiros (conservas, compotas), derivados de carnes (salame, linguiça, banha, carnes de peixes, aves, suínos, ovinos), derivados de leite (queijo, leite pasteurizado, bebida láctea, iogurte, doce de leite, nata, requeijão), bebidas (vinho, cachaça, suco, licor), ovos (galinhas e codornas), artesanatos variados, apicultura (mel, própolis, pólen) e erva mate.
A Emater/RS-Ascar assessora as agroindústrias em diferentes aspectos, desde a produção até a comercialização dos produtos agroindustrializados, a fim de garantir a segurança alimentar, atuando em sintonia com órgãos como a Seapi, SDR, prefeituras, Secretaria Estadual da Saúde, Dipoa), Serviço de Inspeção Municipal (SIM) e políticas públicas, como Feaper, Pronaf e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).
 

Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar - Regional Santa Rosa
Jornalista Deise A. Froelich
Estagiária Daniele Hensen 

Facebook


Twitter


Sound Cloud